III Conferência Nacional do Esporte. 2-

Lei do Incentivo ao Esporte com 04% de repasse e possibilidade de sua contabilização como despesas operacionais, desonerando as empresas, assim como acontece na Cultura, foi uma das minhas propostas que integram o documento produzido pela III Conferência Nacional do Esporte. Um dos maiores obstáculos que enfrentamos dentro das empresas para conseguir apoio os projetos incentivados pela Lei de Incentivo ao Esporte é o fato de que elas não podem contabilizar o montante repassado como despesa operacional. Assim, o valor repassado  a título de incentivo impacta negativamente no resultado das empresas, causando desestimulo em patrocinar os projetos incentivados para o Esporte. O que propus foi nada mais nada menos que a Lei de Incentivo ao Esporte tenha os mesmos benefícios que a Legislação correlara concede à Cultura. Interessante que, a nível nacional, este assunto não havia sido levantado em todas as suas etapas, talves por se tratar de assunto do âmbito da Contabilidade Tributária, assunto que tenho algum domínio. Esta foi a minha principal contribuição para a III Conferência Nacional do Esporte.

Eu e o Presidente do Conselho Federal de Educação Física Jorge Steinhilber, pessoa que nunca negou apoio aos meus pleitos referentes à "politica" do Ministério do Turismo contra o segmento esportivo de aventura.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: